Seção 9, Tópico 6
Em andamento

Quatro opções para lidar com uma mensagem negativa

Ravi Resck 11 de maio de 2021
Progresso de Seção
0% concluído

Finalmente chegamos ao terceiro elemento da CNV. Aqui nos conectamos com a raiz dos nossos sentimentos: as necessidades.

Uma das mensagens mais importantes aqui é perceber que as ações de outras pessoas podem funcionar com um estímulo para aquilo que sentimos, mas nunca poderm ser vistas como a causa.

De fato, os nossos sentimentos manifestados são um resultado de como escolhemos receber o que as pessoas nos dizem e fazem assim como as expectativas que projetamos nos outros. Sendo assim, vamos analisar quatro possíveis respostas para quando alguém nos diz algo que não gostamos.

1. Culpar a nós mesmos

O exemplo que Rosenberg dá aqui é o de uma situação hipotética onde uma pessoa está zangada e te diz algo como “Você é a pessoa mais arrogante que eu já conheci!”

Se escolhemos tomar isso como algo pessoal poderíamos reagir com ” Oh, eu deveria ter sido mais sensível!”.

Aceitamos o julgamento da pessoa e colocamos a culpa em nós mesmos. Esta opção vem com um custo elevado para a nossa auto estima pois vem carregada com idéias de vergonha e talvez até depressão.

Não significa que não devamos aceitar a nossa responsabilidade, mas não precisamos nos render aos julgamentos alheios da mesma forma que devemos buscar não propagar os mesmos.

2. Culpar os outros

Uma outra reação à mesma situação em que alguém te diz “Você é a pessoa mais arrogante que eu já conheci!” seria entrar no modo de combate e dizer “Você não tem o direito de dizer isso! Estou sempre levando as suas idéias em consideração. Você que é arrogante!”

Quando entramos neste modo é normal sentir raiva, rancor, ódio e mal humor.

3. Escutar nossos próprios sentimentos e necessidades

Uma outra opção seria conectar com a nossa própria essência e dizer algo como “Quando ouço você me dizer que sou arrogante, fico magoado porque preciso de algum reconhecimento sobre o meu esforço para levar as suas idéias em consideração”.

Quando nos conectamos com nossos sentimentos e necessidades tomamos a consciência de que a nossa mágoa se origina na necessidade de que os nossos esforços sejam reconhecidos.

4. Escutar os sentimentos e necessidades dos outros

Aqui nós poderíamos perguntar “Você está magoado porque precisa de mais consideração por suas idéias e preferências?”

Aceitamos a nossa responsabilidade dentro do processo de comunicação e tentamos entender as necessidades da pessoa ao invés de simplesmente focarmos nas nossas próprias necessidades.

Tornar-se responsável pelos seus sentimentos

Seguem aqui três exemplos que mostram alguns padrões de linguagem que encobrem a responsabilidade por aquilo que sentimos:

  • O uso de expressões e pronomes impessoais como algo e isso: “Algo que realmente me enfurece é quando os erros de ortografia aparecem em nossos folhetos para o público. Isso me aborrece muito. “
  • Afirmações que só mencionam as ações de outros: “Quando você não me liga em meu aniversário, fico magoado.” ou “Mamãe fica desapontada quando você não termina sua comida”.
  • O uso da expressão “Sinto-me – uma emoção – porque…” seguida de uma pessoa ou pronome pessoal que não seja “eu”: “Sinto-me magoado porque você disse que não me amava” ou “Sinto-me zangado porque a supervisora não cumpriu a sua promessa”.

Em cada um desses exemplo, podemos conectar um sentimento às nossa necessidade e aprofundar a consciência da nossa responsabilidade acerca das nossas emoções. Basta substituirmos a frase original por “Sinto-me assim porque eu…”. Exemplos:

  • Sinto-me realmente enfurecido quando erros de ortografia como esse aparecem em nossos folhetos para o público porque quero que nossa companhia projete uam imagem profissional”.
  • “Mamãe fica desapontada quando você não termina de comer, porque eu quero que você cresça forte e saudável”.
  • “Sinto-me zangado porque a supervisora não cumpriu a sua promessa porque eu contava com aquele fim de semana prolongado para ir visitar o meu irmão”.
pt_BR